A Conquista de Aegon

Ao longo da série temos visto Daenerys a falar acerca da família, que ela tal como os seus antepassados nasceu para governar os Sete Reinos. Mas o que são os Sete Reinos, como se dividem e como eram no passado? Para tal sabermos teremos de recuar a Aegon, ou como mais tarde foi proclamado Aegon I, o Conquistador.

Aegon Targaryen
  • Aegon Targaryen 

Aegon Targaryen era filho de Aerion, senhor de Pedra do Dragão, e da senhora Valaena da casa Velaryon (uma casa menos importante, de ascendência valiriana). Aegon teve duas irmãs, Visenya, que era a mais velha, e Rhaenys. De modo a manter a linhagem pura, tal como era costumo dos povos valirianos aos quais a casa Targaryens faz parte, Aegon casou com as duas irmãs. Estes viviam em Pedra do dragão e foi a partir de lá que Aegon começou a olhar e a se interessar por Westeros.

Westeros na altura estava dividida em sete reinos com sete reis. O Norte era governado pelos Stark, as Terras Ocidentais pelos Lannister, a Campina pelos Gardener, as Ilhas de Ferro e as Terras Fluviais pelos Hoare, o Vale pelos Arryn, Ponta Tempestade pelos Durrandon e Dorne pela casa Martel.

 

O rei de Ponta Tempestade, Argilac Durrandon, propôs a Aegon casamento com sua filha. No entanto, Aegon negou a proposta e contrapôs antes um casamento entre ela e Orys Baratheon, que era amigo de infância, e segundo os rumores, meio-irmão bastardo de Aegon. Ao ouvir tal proposta, Argilac mandou cortar as mãos do emissário de Aegon, enviando-as numa caixa e escrevendo: “Estas são as únicas mãos que o vosso bastardo receberá de mim!”

Ao receber tal resposta Aegon convocou todos os seus vassalos e aliados para irem para Pedra do Dragão. Aí reuniram-se em conselho. Ao sétimo dia, Aegon enviou um corvo a cada um dos senhores de Westeros, tanto grandes como pequenos, com a mensagem que a partir daquele dia só existiria um único Rei e aqueles que vergassem o joelho as suas terras e títulos seriam mantidos. Os que pegassem em armas seriam derrotados e destituídos.

  • O Inicio da Conquista

Dessa forma Aegon e as irmãs partiram para Westeros, aportando junto à Torrente de Água Negra com o seu pequeno exército e os seus três dragões, Balerion de Aegon, Meraxes de Rhaenys e Vhagar de Visenya. Aí Aegon ergueu o Forte de Aegon, onde viria a ser mais tarde Porto Real, a Capital do Reino. Alguns pequenos lordes das imediações depressa reuniram exércitos e marcharam sobre Aegon. No entanto não contavam que este e que as suas irmãs tivessem dragões, submetendo-se facilmente.

Assim, Aegon e as irmãs depressa marcharam, cada um para seu lado, de modo a obter novas conquistas. Mas não se pense que tudo foi um mar de rosas. Muitas foram as vezes em que as tropas invasoras foram surpreendidas e derrotadas. No entanto não passaram de reveses, pois nenhum dos inimigos de Aegon tinha resposta efetiva para os dragões.

Aegon, Visenya e Rhaenys.

Nas terras fluviais quem governava era a Casa Hoare, homens nascidos nas Ilhas de Ferro. Harren Hoare, o Negro, era assim conhecido devido a ter levado aquelas terras circundantes à miséria, com o seu apetite por ouro e por ter levado milhares de homens à morte para a construção do grande castelo de Harrenhal. Portanto os senhores das terras fluviais, liderados por Edmyn Tully de Correrrio, vendo uma oportunidade de saírem do domínio de Harren, o Negro, revoltaram-se contra o seu suserano, juntando assim as suas espadas em apoio a Aegon. Quando as tropas se reuniram a frente dos portões de Harrenhal, o próprio Aegon, em conjunto com os seus porta-estandartes foram até junto do portão parlamentar com Harren dizendo:

“- Rendei-vos e podeis permanecer nas Ilhas de Ferro. Tenho oito mil homens aqui.”

“-O que está fora destas muralhas não me assusta, pois elas são fortes e grossas.”

“-No entanto não são altas o suficiente para manter os dragões no exterior.”

“- Eu construí-as em pedra e esta não arde”

“- Então quando o sol se puser a vossa linhagem terminará!” – concluiu Aegon.

Quando a última luz do sol se pôs, Aegon Targaryen levou Baleion tão alto que não podia ser distinguido pelos homens nas muralhas. Balerion mergulhou na noite, banhando tudo e todos com o seu fogo. Apesar das muralhas não arderem, tudo o resto ardia. Harren e os seus filhos morreram durante os incêndios, acabando dessa forma com a linhagem Hoare, tal como Aegon predizera. Todos os senhores do Tridente prestaram vassalagem e fidelidade a Aegon, tendo este honrado a casa Tully como Senhores Supremos do Tridente.

Argilac, Rei da Tempestade, ao ouvir as notícias do que se tinha passado em Harrenhal depressa reuniu uma grande hoste. Ao saber que uma hoste, liderada pela Rainha Rhaenys estava a caminho, decidiu que não seria “cozinhado” dentro do castelo, partindo assim para uma batalha campal, uma vez que conhecia as suas próprias terras como ninguém. No entanto a sua saída do castelo não foi surpresa para Orys Baratheon, que acompanhava a Rainha Rhaenys naquela jornada, pois esta montada no seu dragão Meraxes testemunhara a partida de Argilac de Ponta Tempestade. Orys posicionara-se assim, estrategicamente, no cimo das colinas esperando os homens de Argilac. Quando os exércitos se encontraram, caia uma forte tempestade fazendo jus ao nome da região. Nessa noite, Argilac apesar de saber que estava em posição estratégica inferior, notou que a chuva caia diretamente contra as hostes inimigas, tendo também uma superioridade numérica de homens, de dois para um, e o quadruplo de cavalaria pesada. A batalha que se seguiu ficou conhecida como a última Tempestade e fora uma a batalha difícil e das mais sangrentas que se regista na Conquista. Argilac e os seus homens ainda abriram uma brecha no centro do exército de Baratheon para dar de caras com Rainha Rhaenerys e Meraxes, que alastrou o terror nas tropas Durrandon, espalhando-as e aniquilando-as. Argilac nunca se rendeu e quando Orys Baratheon encontrou o Rei da Tempestade, com o seu pequeno exército a sua volta a resistir, deu uma última chance ao velho rei de se render. No entanto, Arilac, o velho rei mostrou-se à altura da sua alcunha, o Arrogante, pois negou a proposto e amaldiçoou Orys Baratheon, dando assim ao início de um combate singular entre os dois. No fim, apesar dos ferimentos, ganhou Orys. Sabendo da morte do seu rei, os lordes e seus vassalos bateram em retirada.

A filha de Argilac, Argella, quando viu a hoste da Rainha Rhaenerys a aproximar-se do castelo trancou os portões e condecorou-se como Rainha da Tempestade, prometendo que nunca se renderiam nem que tivessem que morrer todos no castelo até ao último homem. No entanto não contava que os seus homens estivessem com ela, pois estas ao saberem das suas palavras amarraram-na nua e levaram-na ao acampamento de Orys Baratheon. Este ao ver tal coisa envolveu-a no seu manto e tratou-a com gentileza, falando da bravura e dos feitos do pai antes de morrer. Conquistou-lhe o coração e tomo-a como esposa, adotando o símbolo dos Durrandon, o veado coroado, e o seu lema “Nossa é a fúria”.

Dois dos reis restantes de Westeros ao verem o que se estava a passar decidiram unir forças. Desse modo, Mern IX, da casa Gardner, Rei da Campina e Loren I Lannister, Rei do Rochedo, reuniram o maior exército alguma vez visto até aquela data, com 55 mil tropas a pé e 5 mil cavaleiros. Sabendo de tal acontecimento Aegon reuniu o exército que tinha, ou seja um quinto o exército dos dois reis, e marchou ao seu encontro, convocando as suas irmãs para se juntarem a si para este embate. Assim os exércitos encontraram-se numa planície com erva e trigo até perder de vista, ideal para a cavalaria e para o basto exército dos reis Gardner e Lannister. Apesar do terreno parecer ser ideal para os dois reis também o era para Aegon e os seus dragões, pois apesar de Aegon ter um exército menor e uma localização de batalha menos favorável, as planícies à volta tinham as ervas e os trigos tão altos e tão secos que seriam perfeitos para os dragões lançarem fogos e arderem com tudo. E assim foi, quando os exércitos dos dois reis aliados entraram em arremetida, Aegon e as suas irmãs, montados nos dragões, banharam os exércitos inimigos de fogo. Os que conseguiram escapar das chamas estavam condenados a morrer, com os homens a pé e a cavalo de Aegon. Esta batalha ficou conhecido como o Campo de Fogo. A linhagem Gardner findou nesse dia, pois o rei levara para a batalha os seus filhos, netos e sobrinhos contando que ia ter uma esmagadora vitória. O Rei do Rochedo fora capturado, dobrando assim o joelho a Aegon. Apesar da vitória no campo de batalha, a Campina ainda não era de Aegon, por isso este pôs-se em marcha para Jardim de Cima encontrando-a nas mãos do intendente Harlan Tyrell, que facilmente entregou o castelo a Aegon sem levantar uma única arma em defesa, dobrando também o joelho. Com isso Aegon concedeu o Jardim de Cima à Casa Tyrell, nomeando-os como Protetores do Sul e Senhores Supremos do Vago.

Torrhen Stark, Rei do Norte, ajoelha-se perante Aegon.

Torrhen Stark, Senhor de Winterfell e Rei do Norte, reunira o exército todo do Norte e marchara ao encontro do Rei Aegon. Este ao ouvir que o rei nortenho já se encontrava no Gargalo partiu imediatamente com Balerion à frente do seu exército que o acompanhava em Jardim de Cima. Enviou mensagens ao resto do seu exército, às suas irmãs e aos novos senhores que tinham dobrado o joelho para reunirem as tropas e se encontrarem com ele no Tridente. Aí foi onde o exército de Torrhen Stark se encontrou com o exército de Aegon Targaryen. Vendo tamanho exército que o Rei Targaryen tinha em sua posse e sabendo do que se tinha passado na batalha Campo de Fogo e em Harrenhal, onde ainda chamas crepitavam nas torres, Torrhen Stark, Rei do Norte, ajoelhou-se perante Aegon, pousando a antiga coroa dos Reis do Inverno aos pés do Rei Targaryen. Desde esse dia Torrhen ficou conhecido como o “Rei que Ajoelhou”, no entanto não teve nenhum nortenho morto em combate e quando se levantou, depois de ajoelhar perante Aegon, levantou-se como Senhor de Winterfell e Protetor do Norte.

Assim os três imãos Targaryen separaram-se uma vez mais à procura de conquistar a totalidade de Westeros. Visenya virou as suas atenções para o Vale, onde Sharra Arryn, Rainha do Vale, mandara reforçar todos os pontos de possíveis guerras. No entanto, mais uma vez tamanho exército tornou-se inútil, pois Visenya passou a voar sobre todos os exércitos pousando no pátio interior do Ninho da Águia. Quando os guardas e a Rainha do Vale foram para confrontar a Targaryen esta tinha no colo Ronnel Arryn, que estava a fitar estupefacto o dragão Vhagar. Virando-se para a mãe perguntou “Posso ir voar com a senhora?” e com esta pergunta, a Rainha do Vale prostrou-se e entregou a coroa a Visenya.

Rhaenys Targaryen partiu para a conquista de Dorne, no entanto em todas as cidades e vilas que passou só encontrou velhos, senhoras e crianças. Quando perguntava onde estavam os Lordes e senhores dessas terras as pessoas apenas respondiam “Foram embora”. Com isso foi diretamente para Lançassolar, antiga sede da Casa Martell. Lá encontrou a Princesa de Dorne, Meria Martell, com oitenta anos de idade, gorda, cega e quase calva, mas a idade e a cegueira não lhe tinham apagado a esperteza.

“Não vos combaterei e também não ajoelharei perante vós. Dorne não tem rei. Dizei isso ao vosso irmão.”

“Direi, mas nós voltaremos com fogo e sangue.”

“Essas são as palavras do vosso lema. As nossas são Insubmissos, Não Curvados, Não Quebrados! Vós não sois desejados em Dorne.”

E assim Dorne ficou por conquistar.

Aegon Targaryen virara as atenções para Vilavelha, a maior cidade de todo Westeros e o Centro da Fé dos Sete, onde habitava Alto Septão, Pai dos Fiéis. Quando Aegon chegou foi dar de caras com os portões abertos para o receber e Lorde Manfred Hightower ajoelhado para se submeter ao seu novo Rei. O Alto Septão corou Aegon como Rei, com os sete óleos sagrados e proclamou-o Aegon da Casa Targaryen, o Primeiro do Seu Nome, Rei dos Ândalos, dos Roinares e dos Primeiros Homens, Senhor dos Sete Reinos e Protetor do Território. Na verdade, não eram sete reinos, pois Dorne não se submetera. E não se submeteria durante mais de um século. Desde o dia que Aegon partira de Pedra do Dragão até a sua coroação oficial passara-se sensivelmente dois anos.

Com as espadas conquistadas no campo de batalha, Aegon mandou contruir o Trono de Ferro, fazendo da vila pesqueira onde aportara a primeira vez em Westeros a capital do reino, chamando-a de Porto Real.

Anos mais tarde Rhaenys Targaryen morreria em mais uma tentativa de conquistar Dorne. Diz-se que o seu dragão fora alvejado com uma seta envenenada e na queda a Rainha morrera. Aegon enfurecera-se de tal maneira que passou parte de Dorne pelas chamas, mas sem efeito para a sua causa. No final Aegon teria apenas conquistado seis dos sete reinos de Westeros, proclamando-se assim como Aegon, o Conquistador.

 

 

 

 

 

 

+ Lê aqui todos os nossos artigos de “Histórias de Gelo e Fogo”


Fontes: O Mundo de A Guerra dos Tronos [de Elio Garcia Jr., George R. R. Martin, Linda Antonsson e Marcia Blasques] | awoiaf.westeros.org